Blog #12 Em tempos de quarentena



Tempos estranhos estamos vivendo. Todo mundo tendo que se reinventar e como der. Quem contava com essa tal de pandemia a essa altura do tempo? Mas o que está feito, está. Negócio é tratar de nos adaptarmos ao que estamos vivendo e lembrar que ninguém solta a mão de ninguém (virtualmente, é claro) é o quê mais importa. Essa semana, última do mês de março de 2020, foi cheia de tensão. A pandemia da Covid-19 se alastrou e agora, temos que ficar em casa mesmo. Não tem outra opção. Mas, como fazer para sobreviver nesses tempos, se o nosso trabalho depende de vendas e de contato com os outros? É minha amiga, não é fácil. Alternativas como vendas e aulas on-line, entregas por meio de correio (mas fique atenta que tem formatação para essa modalidade de entrega – confira nesse link), por meio de entregadores de aplicativos e deliverys. Mas dá para vender, seja pelo Elo-7, Whatsapp, Facebook, YouTube etc. Só o poder de persuasão terá que ser diferente. Se antes o bom papo era o suficiente, agora, mais do que nunca, a propaganda nas redes sociais será a alma do seu negócio. Mas, como tenho certeza de que tudo tem o lado bom, temos visto várias oportunidades de se reinventar nesses dias. Não fosse o tempinho que conquistamos quando deixamos o ir e vir de lado e, que sem bem aplicado, pode virar hora de estudo, de pesquisa, de conversa boa, temos visto outras formas de trabalho que podem ganhar vultos mais suntuosos quando tudo voltar ao normal. Oportunidades. Com certeza, nesses dias, os temas mais polêmicos do nosso mundo artesanal foram a confecção e o uso de máscaras artesanais como formas de proteção e cuidado com o próximo. Entre nós mesmo, do staff do CANAL CRAFT houve muita conversa e opiniões diversas. Uns achando que não se deve incentivar o feitio caseiro, outros apoiando por ser um meio alternativo e a busca por opiniões extras por todos os lados para que possamos levar o máximo de informação e deixar que nossos leitores e ouvintes do PODCRAFT tirem suas conclusões com tudo apresentamos. Optamos pelo livre arbítrio. Cada um de nós segue fazendo o que melhor lhe convier. Mas, para deixar a pauta mais justa, achamos por bem acrescentar informações ao que foi conversado no podcast dessa semana. Munidos de informação e de depoimentos de gente gabaritada como Peter Paiva, Marcco Venturelli, Catiane Gobbi. Nesse contexto, Nina Sargaço defende veemente a confecção das máscaras e há dias tem se dedicado ao feitio para poder doar as mesmas. Concordo com ela. Fazer para doar é uma forma de ajudar a prevenir. Máscaras hospitalares estão escassas e muito, mas muito caras. Acabei de ver no noticiário que a caixa de 50 unidades passou de R$ 4,50 para R$ 300,00. Teria vergonha de cobrar esse preço. Isso não é nem humano. Mas, frente a isso, quem acredita que a população de baixa renda terá condições de comprar caixas e mais caixas nesse nível? Então, confeccionar máscaras, em minha opinião, é o caminho sim! Óbvio que levando algumas considerações de higiene extrema com as peças e com o próprio corpo. As máscaras cirúrgicas devem ser destinas aos médicos, enfermeiros e pacientes que venham precisar desses produtos. Nós temos que nos adaptar com o que temos e que com que nós e as mais viáveis. Tenho ainda outra opinião que se refere ao lixo gerado mesmo. Ninguém fala isso, mas evitar tanto lixo ainda me parece uma ideia bem interessante.

Nós também conversamos um a médica Patrícia de Barros Correia Cavalcanti, que também é artesã e entende das nossas ansiedades. Ela nos contou como são os procedimentos indicados pelo prisma cientifico e indicou dois vídeos bem interessantes para darmos uma olhada. Acredito que este https://www.youtube.com/watch?v=Dolw643vy7I&feature=youtu.be esteja em chinês, mas pela imagem dá para entender bem o passo a passo que o médico indicou. Já o vídeo feito pelos médicos brasileiros é bem interessante. Um tipo de máscara que ainda não vimos artesãs fazendo. Vale conferir. Eu também achei esta outra opção bem interessante: https://www.youtube.com/watch?v=ZnVk12sFRkY, onde a enfermeira americana e o responsável pela confecção das máscaras de uma empresa ensinam como fazer um modelo seguro.




No site do Ministério da Saúde e da OMS orientam quanto ao manejo das máscaras: 
• Coloque a máscara com cuidado para cobrir a boca e o nariz e amarre com segurança para
minimizar as lacunas entre o rosto e a máscara;
• Enquanto estiver utilizando a máscara, evite tocá-la;
• Remova a máscara usando técnica apropriada (ou seja, não toque na frente, mas remova o laço ou
nó da parte posterior);
• Após a remoção, ou sempre que tocar em uma máscara usada, higienize as mãos com água e
sabão ou álcool gel, se visivelmente suja;
• Substitua a máscara por uma nova máscara limpa e seca assim que estiver úmida ou danificada;Não reutilize máscaras descartáveis;
Já no site da prefeitura da cidade de São Paulo é alertado que ainda, no momento, não há recomendação para uso de máscaras para a população em geral.


E assim, seguimos na luta que somos artesãos, fortes e guerreiros. Mas, inteligentes. Sabemos nos cuidar de nós mesmos e de quem amamos. Manja ponto atrás ou retrocesso de máquina? É isso, reforçamos para fazer uma costura segura e um ponto bonito. Afinal, tudo passa, mas o artesanal sempre fica...

Um grande beijo,


BETE MONTA

7 visualizações

Posts recentes

Ver tudo